\\ Texto Maria Amélia Pires
\\ Fotografia Direitos Reservados

Sérgio Godinho

Galardão de Melhor Canção Original em Prémios Sophia 2017

A quinta edição da entrega dos Prémios Sophia, da Academia Portuguesa de Cinema, para produções ou coproduções do cinema português, lançados no mercado em 2016, decorreu a 22 de março no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa. Numa cerimónia onde os discursos foram críticos em relação às políticas nacionais de apoio à sétima arte, o grande vencedor acabou por ser Cartas de Guerra com sete vitórias em 11 nomeações, conseguindo ultrapassar as 14 nomeações de Cinzento e Negro.

Embora a longa-metragem Refrigerantes e Canções de Amor, realizada por Luís Galvão Teles para um argumento de Nuno Markl, não estivesse nomeada para o prémio de melhor filme, esteve, no entanto, em destaque, já que Sobe o Calor, um dos temas que integrou a banda sonora do filme, interpretado por Sérgio Godinho, com letra do próprio e música de Filipe Raposo, arrecadou o galardão de Melhor Canção Original. Sobe o Calor concorria com o original de Miguel Araújo, Será Amor, interpretado por César Mourão para o filme A Canção de Lisboa; com Balada para uma dinaussaura, de João Tempera, interpretada por Ivo Canelas, também para o filme Refrigerantes e Canções de Amor; e, algo inusitado, com o tema Sobe o Calor mas na interpretação dos atores Lúcia Moniz e João Tempera.

A ligação de Sérgio Godinho ao cinema é já antiga, tendo-se já traduzido de diversas formas: como realizador, como coargumentista, ou até mesmo acumulando a contribuição para a banda-sonora e a participação como ator, como é o caso de Refrigerantes e Canções de Amor em que, para além de autor da letra e intérprete da canção vencedora, interpretava o papel de Navalhas, um assassino a soldo. 

PARTILHAR O ARTIGO \\