\\ Texto Maria Amélia Pires
\\ Fotografia Direitos Reservados

Discos Orfeu (1956-1983) - Imagens/Palavras/Sons

Em Exposição na Casa do Design de Matosinhos

Dando continuidade à aposta na investigação e divulgação da história do design português, a Casa do Design de Matosinhos inaugurou a exposição Discos Orfeu (1956-1983) — Imagens/Palavras/Sons, a primeira grande exposição dedicada a uma editora discográfica portuguesa, criada no Porto, em 1956, por Arnaldo Trindade: a mítica Orfeu.

Chegando a gravar em média um disco por semana e tendo lançado novos músicos a um ritmo vertiginoso, a Orfeu editou obras de Adriano Correia de Oliveira, José Afonso, Sérgio Godinho, José Cid, Fausto ou Luís Cília, entre muitos outros. Foi, porém, com a edição fonográfica em disco de vinil de grandes vultos da literatura portuguesa, como Miguel Torga, José Régio, Eugénio de Andrade ou Sophia de Mello Breyner, que a editora iniciou a sua atividade, justificando a divisa que durante muito tempo ostentou: Disco é Cultura.

Esta exposição, organizada pela Câmara Municipal de Matosinhos e pelo ESAD-Escola Superior de Artes e Design de Matosinhos, com a curadoria de José Bártolo, estrutura-se ao longo de cinco núcleos principais: No Início era o Verbo (1956-1959); Trovas do Vento que Passa (1960-1967); Vozes da Revolução (1968-1975); Entre Vénus e Marte (1976-1979); O Fim da Aventura (1980-1983). O trabalho de investigação possibilitou reunir e apresentar as principais capas de discos da Orfeu e inúmero material documental (gráfico, fonográfico e vídeo), algum dele inédito. Sendo esta uma exposição da Casa do Design, merecerá especial atenção o lado gráfico das capas de discos e a importância dos fotógrafos, destacando-se, entre outros, Fernando Aroso, autor das fotografias de centenas de discos editados com o inconfundível selo Orfeu.

PARTILHAR O ARTIGO \\