Yoga

Harmonia, saúde e felicidade

\\ Texto Maria Amélia Pires
\\ Fotografia Direitos Reservados

O Yoga Sámkhya, dos primórdios das Índia, foi reconhecido no dia 1 de Dezembro de 2016 como Património Cultural e Imaterial da Humanidade pela UNESCO.

Tendo surgido há mais de 7000 anos com o povo Drávida, que vivia no Vale do Indo, no noroeste da Índia, o Yoga é um sistema filosófico de desenvolvimento pessoal capaz de conferir ao ser humano, em todas as suas facetas, um desenvolvimento equilibrado e harmonioso, conferindo-lhe uma perspetiva global de fraternidade e solidariedade. Especificamente, o Yoga visa dois objetivos sendo que o primeiro é a promoção da saúde do corpo, da mente e das emoções positivas, e a elevação da energia, mantendo o ser humano no seu estado natural, saudável e feliz, com sólida base de auto-exigência e anti ego deformado. O segundo, mas não menos importante, é tornar-nos sábios porque o Yoga é por si só o método de desenvolvimento humano mais poderoso, completo, sábio e antigo do planeta.

Shánti Deva Áshama, Setúbal


\\ Fotografia ©Confederação Portuguesa do Yoga

Shánti Deva Áshama, Setúbal


\\ Fotografia ©Confederação Portuguesa do Yoga

Esta filosofia milenar tem vindo a despertar um interesse crescente em Portugal, congregando dezenas de milhares de praticantes. Para além de existirem outras escolas com abordagens diferentes, a Confederação Portuguesa do Yoga possui mais de 40 Áshrama (Centros do Yoga) em Portugal – como os Centros do Yoga Áshrama Porto e o Shánti Deva Áshama, localizado na Quinta do Anjo, Setúbal (nas imagens 4 e 5) –, promovendo a prática na sua forma primordial, com as suas 14 disciplinas técnicas principais e seis secundárias dadas numa só aula, desenvolvendo o ser humano de forma total e harmoniosa. E foi este Yoga Total, dos primórdios da Índia – outrora chamado SÁMKHYA, que significa Sabedoria (número, razão), Filosofia Mãe do Yoga, Cosmogénica e Antropogénica, Chave do Yoga –, que foi reconhecido no dia 1 de Dezembro de 2016 como Património Cultural e Imaterial da Humanidade pela UNESCO.

O Yoga Sámkhya combate eficazmente o stress, permite enfrentar situações de grande tensão, e o relaxamento que dele resulta possibilita recuperações físicas completas em algumas dezenas de minutos, equivalentes a algumas horas de sono profundo. O Yoga Sámkhya também melhora a lucidez, aumenta a energia, eleva a autoconfiança, exponencia a atenção e a concentração. O Yoga permite ainda a aquisição de competências, como a resiliência, inteligência emocional, engagement, saber relaxar, combater a procrastinação e aprender a ser feliz. Contrariamente ao que pensávamos, não é necessário ter uma alimentação vegetariana, como nos explicou Catarina Ferreira, Mestra Sitá Devi do Áshrama Porto/Bhárata Centro do Yoga, mas, refere: «à medida que se vai praticando, o organismo vai-se purificando e há uma tendência para os praticantes preferirem alimentos mais saudáveis».

Portugal é um dos palcos principais do Yoga no mundo em virtude de ter sido o primeiro país no mundo a comemorar, em 2002, o Dia Internacional do Yoga no solstício do Verão, que ocorre no dia 21 de Junho, e do intenso trabalho da Confederação Portuguesa do Yoga e do seu presidente, H.H. Jagat Guru Amrta Súryánanda Mahá Rája, Jorge Veiga e Castro, na promoção deste dia e da sua consagração oficial pela ONU (algo que veio a acontecer em Dezembro de 2014). Por outro lado, a Confederação Portuguesa do Yoga/Yoga Sámkhya Instituto confere a formação mais completa do mundo em Yoga: seis anos, num total de 6500 horas para o grau de instrutor; mais quatro anos para o grau de professor e mais quatro anos para o grau de mestre), seguindo a qualidade de ensino do Yoga tradicional da Índia, sem deturpações.

Muito mais do que um exercício físico, ainda que os benefícios físicos, mentais e emocionais sejam deveras evidentes, o Yoga guia-se por princípios humanistas, pela promoção da paz, pelo diálogo, justiça, fraternidade e pelo respeito pela dignidade da pessoa humana.

PARTILHAR O ARTIGO \\