\\ Texto Maria Amélia Pires
\\ Fotografia Direitos Reservados

Galeria Malapata

Sendo uma porta de entrada para novos talentos, a Galeria Malapata tem o seu foco principal na promoção da arte contemporânea, tanto nacional como internacional, com especial ênfase na ilustração. Provavelmente por estar localizada numa das zonas mais tradicionais de Lisboa, no centro do Chiado, muitos são os turistas e locais que, atraídos pela diversidade de estilos e técnicas, entram na galeria e ficam fascinados pelo mundo da ilustração.

Mas a Galeria Malapata não vende apenas ilustrações. Os seus planos para o futuro incluem a criação de workshops, viagens, mercados e feiras em todo o mundo. A pensar nos novos talentos, a galeria estabelece também protocolos com instituições educacionais, permitindo aos melhores estudantes da área artística exporem os seus trabalhos.

De dois em dois meses, as paredes da Galeria Malapata são revestidas por novos trabalhos, novos nomes, menos ou mais conhecidos no panorama artístico, mas sempre com reconhecida qualidade. Recentemente, a Galeria Malapata e Coletivo Bipolar (Saulo Santos e Vital Lordelo) convidaram o artista BINAU a participar numa residência artística durante primeira semana de julho. Mas na Malapata há sempre a probabilidade de os amantes da ilustração se encontrarem com os seus artistas preferidos ou de descobrirem novas obras de artistas emergentes. Há sempre algo de original adaptado a todos os bolsos.

A polaca Agnieszka Giecko, a letã Agnese Taurina, a portuguesa Bina Tangerina, a brasileira Camilla Cossermelli, o chinês Fly Chen, ou os irmãos ingleses Printed Goods são outros dos nomes que se podem descobrir ou redescobrir na Galeria Malapata.

PARTILHAR O ARTIGO \\