Flor de Sal D'Aveiro

O ouro branco

\\ Texto Maria Amélia Pires
\\ Fotografia ©Flor de Sal D'Aveiro

Tal como outras, esta história começa pela necessidade de se ‘inventar’ o que não existe! Não com a qualidade que Karina Pires e Gonçalo Vicente desejavam e que lhes havia sido solicitada. Foram ambos criados na Gafanha da Nazaré, onde se situa a maioria das salinas da região, e nutrem pelo mar, pela Ria e pela sua terra um amor tão imenso que depressa contagiou os filhos de ambos, como se de algo hereditário se tratasse. Há seis anos, criaram a Flor de Sal D’Aveiro, marca que já é uma referência aquém e além-fronteiras.

A Flor de Sal D'Aveiro é das mais puras, albas e cristalinas do mundo e está presente em mais de dez países da Europa.

Trabalhavam já com a exportação de produtos portugueses, quando um prestigiado Grupo internacional lhes pediu flor de sal portuguesa de qualidade. Após pesquisa, descobriram que nenhuma das opções apresentava uma imagem direcionada para clientes premium. A necessidade foi o gatilho para a criação do projeto. Os amigos também! O Sr. João Silva, marnoto, que se comprometeu a colher a mais fina e pura flor de sal; e o artista plástico António Quintas, que criou uma lindíssima peça de cerâmica artesanal, produzida em Aveiro, cuja tampa é feita em cortiça, duas matérias-primas intimamente ligadas à região. À sua rusticidade aliou-se a imagem internacional, estando assim criadas as condições para concorrer com os melhores produtores europeus. Quanto ao conteúdo, a Flor de Sal D’Aveiro é das mais puras, albas e cristalinas do mundo e está presente em mais de dez países da Europa, em lojas gourmet, entre outros pontos de venda, e em hotéis, como o Hilton Warsaw.

A Flor de Sal contém minerais e nutrientes únicos. Para além de microcristais que facilitam a digestão, é totalmente natural, sem qualquer processo de industrialização, o que preserva os componentes nutricionais, como cálcio, magnésio, zinco e cobre. Enquanto o sal marinho convencional é recolhido do fundo da marinha, a Flor de Sal tem de ser colhida enquanto os sais se encontram em suspensão. A fina camada de cristais é colhida várias vezes ao dia, deixando-se ao sol, para perder alguma humidade. A sua produção coincide com os meses de Verão. O sol, a pouca humidade e o vento suave são as condições ideais para que os cristais de sal se formem à superfície, sendo acumulados pela acção do vento, permitindo a sua colheita.

O sal marinho floriu. Uma flor visível ao microscópio, fina, branca e delicada, que se desfaz entre os dedos. A Flor de Sal D’Aveiro não foi um sonho de infância, mas transformou-se no projeto de Karina e Gonçalo. É a flor de sol, de mar, de vento. É a Flor de Sal D’Aveiro, de Portugal, o ouro branco que a pouco e pouco se espalha pelo mundo, com a imagem de Aveiro gravada no coração.

PARTILHAR O ARTIGO \\