Red Bull Air Race World Championship

Aviões deixaram rasto de euforia no Douro

\\ Texto Filomena Abreu
\\ Fotografia ©Red Bull Media House

Passaram oito anos desde a última edição da Red Bull Air Race World Championship, no Porto. O tempo deixou saudades, mas o regresso encheu as cidades do Porto e de Gaia de aficionados pela aviação e de curiosos, que não quiseram perder a oportunidade de ver de perto a passagem dos rápidos aviões. O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, marcou presença no evento promovido pela Red Bull, juntamente com as Autarquias do Porto e de Gaia, e deixou no ar a possível repetição do show no próximo ano. O mesmo desejo foi replicado por muitos dos que assistiram às qualificações da Master e da Challenger Class, na sexta de oito etapas do campeonato mundial.

A Red Bull Air Race parece ser uma fórmula de sucesso em todo o lado, e o Porto não é excepção. Apesar da dispersão da multidão não ajudar a fazer uma contagem, a organização do evento avançou que nos dois dias do espectáculo, 2 e 3 de Setembro, as margens do rio Douro carregaram 850 mil pessoas. Mais certo é que se tenham vivido momentos extraordinários durante a competição. Para os pilotos, o circuito é magnífico porque é, ao mesmo tempo, um dos mais rápidos, e um dos mais curtos. Acresce o facto de todos os profissionais o acharem também um dos cenários mais bonitos por causa do colorido casario que suporta o caudal do Douro. Ali, o traçado tem mais de velocidade do que de técnica e tudo se decide nos pormenores. Na etapa do Porto, os detalhes fizeram com que a tabela de classificações se alterasse bastante. Martin Sonka foi o vencedor da etapa portuense e passou a ser o novo líder da tabela da Master Class. Já a Challenger Class teve como vencedor Kevin Coleman.

No que a nós nos diz respeito, ficaremos à espera do «smoke on», no próximo ano.

PARTILHAR O ARTIGO \\