Tânger - Marrocos

O paraíso aqui tão perto

\\ Texto Filomena Abreu
\\ Fotografia ©TAP Comunicação Corporativa

Do estreito de Gibraltar, vê-se o ponto exato onde o Oceano Atlântico e o Mar Mediterrâneo se fundem. A imagem é bonita. Mas, ganha outra dimensão se pensarmos que, a partir daquele lugar, apenas 14 quilómetros, em linha reta, separam dois continentes tão distintos como a Europa e África. Por isso, Tânger será, nesta viagem, a porta de entrada para uma nova cultura, recheada de cores e sabores. Um local que, em tempos, teve influência de muitos povos, entre os quais o português. Hoje, Marrocos abre mais o seu coração ao Mundo e recebe, de alma cheia, turistas dos cinco continentes. E a todos eles encanta e vicia. Com a música, com as gentes, com as paisagens e, cada vez mais, com programas do género ‘escapadinha’, que tanto se traduzem em horas de descanso num SPA, como em momentos de lazer num campo de golfe. Tratar de tudo é simples, se confiar na agência certa. E chegar até lá também não custa, basta apanhar um avião da TAP. 

Se calhar nunca pensou nisso. Mas o tempo de voo entre Lisboa e Tânger (Marrocos) é bastante curto. Em pouco mais de uma hora altera-se o clima, a cultura e a paisagem. E a partir daqui o leque de possibilidades só tende a aumentar. Se está a precisar de mudar de ares, seja para relaxar, ou para se divertir um pouco, então este pode ser o destino ideal. A 45 minutos do Aeroporto Internacional de Tânger está um dos mais recentes paraísos, em Marrocos. O Lixus Beach Resort é um moderno hotel, plantado à beira-mar, que lhe pode oferecer uma variedade de atividades durante toda a sua estadia. Há um pouco de tudo. Desde as atividades náuticas às terrestres (fitness, yoga, windsurf, surf, paddle, ski aquático, kayak, ténis, futebol e voleibol de praia). Imbuído do espírito árabe, o SPA assemelha-se a um verdadeiro paraíso, com massagens, piscina interior, cabeleireiro e o hamam. Mas há mais. Ali ao lado está um campo de golfe, feito a pensar nos mais audazes neste desporto. O percurso de 18 buracos foi assinado pelo arquiteto espanhol Enrique Saenger, que aproveitou as excelentes perspetivas oferecidas no alto daquela colina para dar aos jogadores a adrenalina de poder fazer fantásticas jogadas com vistas tanto sobre o mar como a floresta.

A Atlas Voyages, que neste momento gere o Resort, não quis deixar nada ao acaso. Apostou forte naquilo que sabe que vai vender: a fórmula do «all inclusive» (tudo incluído) para que não tenha de se preocupar com nada, além do seu descanso ou da sua diversão. Os restaurantes Tingis e Zélis conduzem o seu paladar a uma viagem exótica, onde não faltam produtos locais, frescos e de grande qualidade. E no bar Lounge e no Pool Bar delicie-se com os cocktails, junto à fantástica piscina, enquanto se maravilha com um deslumbrante pôr-do-sol.

A 12 quilómetros dali está a discreta e mágica cidade de Larache, que encanta desde o porto, onde se come bom peixe, à inebriante medina. Pintada de azul e branco, seduz pela sua aura misteriosa. As ruas labirínticas contam histórias de outros tempos. E o rio Loukkos deslumbra pelo hipnotizante serpentear. 

Também perto do hotel, a apenas 10 minutos, está o histórico local de Lixus, onde se encontram numerosos vestígios arqueológicos, que testemunham a presença, na região, dos fenícios e dos romanos. Nos seus escritos, Plínio fala de Lixus para ali situar o Jardim das Hespérides, um lugar mágico onde Hércules terá realizado uma das suas doze lendárias tarefas. Este será também o único templo em Marrocos com um anfiteatro, virado ao mar, onde antigamente existiam espetáculos de leões e gladiadores.

O roteiro é extenso. Porque também é possível visitar outras cidades próximas como Tânger, Asilah ou Chouen. Asilah pertenceu a Portugal entre 1471 e 1550 e, novamente, entre 1577 e 1589. A cidade é quase toda muralhada e virada para o mar. A arquitetura destaca-se, muito por causa das cores que fazem espelho das ondas e dos motivos do mar. Já em Tânger, a medina é igualmente bela e movimentada. E podemos aventurar-nos pelas maravilhas naturais como o Cabo Spartel e as Grutas de Hércules. E, no fim, para terminar em grande, depois das compras na medina, aproveite para jantar no antigo Hammadi, um tradicional restaurante que lhe vai encher as medidas. Pela comida e pela decoração. Inshallah.

 

PARTILHAR O ARTIGO \\