Casa Balint

Traços elípticos

\\ Texto Maria Cruz
\\ Fotografia ©Diego Opazo

É a estrutura em concreto, do piso térreo, sustentada em quatro apoios, que suporta o arco do telhado.

Inserida num campo de golfe, nas proximidades de Valência, a Casa Balint foi pensada e desenhada em função dos traços elípticos – maximizando as possibilidades dadas e minimizando o impacto volumétrico do lugar –, pelo estúdio de arquitetura Fran Silvestre Architectos. Desde logo, através da fachada contínua da moradia, que parece albergar uma única planta, dando a ideia visual de aerodinâmica. A profundidade das vistas é ímpar e a paisagem do meio ambiente fica presa nos olhares.

Na parte frontal da casa, para além do jardim bem aproveitado, encontra-se a piscina, também ela em formato circular. A toda à volta, a vegetação curva, devido à topografia do local, concebe a sensação de espaço reservado e os restantes elementos, que configuram esta moradia contemporânea, parecem estar em sintonia com a natureza envolvente deste lugar. 

Já no interior da habitação, as divisórias articulam-se através do vácuo central, proporcionando acesso aos espaços de serviço, à cozinha e, também, ao piso superior onde se encontram os três quartos e o porão aberto ao pátio.  

É a estrutura em concreto, do piso térreo, sustentada em quatro apoios, que suporta o arco do telhado. A construção desta casa, com 769,97 m², dos cerca de 1.200 m2 de área total, é coberta por uma fachada ventilada monolítica feita com uma superfície sólida que, com curvatura simples e sem necessidade de termoformação, se adapta à geometria da moradia. As cores predominantes nesta habitação variam entre o branco, o preto e os cinzas. Também a forte presença de luz natural está subjacente a este projeto, pois, com o passar das horas, durante o dia, a entrada de luz vai transformando o interior dando-lhe uma iluminação e efeitos únicos.   

PARTILHAR O ARTIGO \\