Primavera BSS

Um símbolo do despertar da tecnologia

\\ Texto Andreia Filipa Ferreira
\\ Fotografia Daniel Camacho

Espelhado e arredondado, o edifício da tecnológica Primavera Business Software Solutions (BSS) é um dos símbolos do desenvolvimento empresarial da cidade de Braga. Marcando a paisagem e acenando ao glorioso Bom Jesus, a casa da Primavera BSS é a central de operações para o desenvolvimento de soluções de gestão empresarial, soluções que, desde 1993, têm colocado o selo nacional na tecnologia usada por empresas de todo o mundo. Apostando na inovação e atentando às novas tendências do mercado, que exige maior rapidez na apresentação de serviços aos consumidores, a multinacional fundada por Jorge Batista e José Dionísio tem somado sucessos em Portugal e conquistado o mercado africano, que representa cerca de 40% do volume de negócio global da Primavera BSS. Com um leque de 280 colaboradores que procuram responder diariamente às necessidades de mais de 40 mil empresas espalhadas por 20 países, a tecnológica portuguesa apressa-se a adaptar-se às novas exigências do mercado, ansiando manter-se numa posição de líder no novo movimento associado às soluções na cloud.

Tal como a estação do ano que inspira a designação da empresa, a Primavera BSS foi o despertar de algo novo. Ocupando a posição pioneira no desenvolvimento de soluções de gestão empresarial que utilizavam o sistema operativo Windows em Portugal, num momento de disrupção tecnológica em que o sistema MS-DOS começava a ser substituído por um ambiente mais gráfico, a tecnológica de Braga liderou, durante quatros anos, um mercado pouco explorado. A aventura começou em 1993 quando dois amigos formados em Engenharia de Sistemas e Informática partiram à descoberta da viabilidade de um projeto que desenvolvesse software para o novo sistema operativo que florescia. Percorrendo Espanha e França, Jorge Batista e José Dionísio encontraram um panorama de recetividade e, voltando a Portugal, começaram a desenvolver uma aplicação de contabilidade para profissionais utilizadores do Windows: a Contalib. Iniciava-se assim a primeira software house nacional, que hoje desenvolve soluções para áreas diversas, como a Administração Pública, Construção Civil, Contabilidade, Indústria, Restauração e Retalho, e ainda soluções especializadas na gestão logística, de despesas, manutenção de equipamentos e gestão de recursos humanos e portais empresariais. Sobre os primeiros passos da Primavera BSS no mercado, Jorge Batista assegura que os desafios eram totais, mas as oportunidades ultrapassavam o receio de arriscar. «Em 1993 estávamos perante uma grande oportunidade em termos de mercado porque não existiam, em praticamente todo o mundo, aplicações ou soluções para o novo sistema operativo Windows», recorda Jorge Batista. «Tínhamos muita ambição de marcar o início de uma nova era e, de alguma forma, a Primavera BSS funcionou como evangelista do próprio Windows. Éramos aquela empresa que as pessoas reconheciam como entendida no desenvolvimento de soluções para um ambiente mais gráfico, que mudava completamente a experiência de utilização que as empresas estavam até aí habituadas nos sistemas Unix e MS-DOS», afirma o co-CEO da empresa.

A Primavera BSS foi a primeira software house nacional a desenvolver serviços para Windows. 

Apontando o rumo do sector em Portugal, a Primavera BSS foi acompanhando e respondendo às necessidades de gestão das empresas. «Creio que conseguimos arrastar os principais atores do mercado para esse novo panorama gráfico. Hoje temos cerca de 400 empresas que são nossas parceiras, revendendo e implementando as nossas soluções», realça Jorge Batista. Financiada inteiramente por capitais nacionais, a Primavera BSS marca atualmente presença em Espanha, Angola, Moçambique, Cabo Verde, S. Tomé e Príncipe e Emirados Árabes Unidos (com a recente abertura de escritórios no Dubai), adaptando a oferta à realidade cultural, fiscal e legal de cada país. Em 2014, a actuação da empresa rendeu 19,5 milhões de euros, um crescimento de 9% face ao ano anterior, tendo os mercados africanos um peso significativo no volume de negócio alcançado. «Os mercados africanos correspondem a cerca de 40% do nosso negócio global, graças à utilização dos nossos serviços por mais de três mil empresas, com enfâse em Angola e Moçambique», revela Jorge Batista.    

Investindo permanentemente na inovação, nesta nova fase tecnológica marcada pelo crescimento de um mercado global, graças aos produtos pensados para serem disponibilizados através da cloud, a Primavera BSS depara-se com preocupações para conquistar os utilizadores. «Toda a indústria de tecnologia tem de dirigir os seus modelos de negócio para a cloud. Nós queremos ser, como no passado, uma empresa líder neste novo movimento», assegura o co-CEO. E como se alcança essa liderança? «Conhecendo melhor os perfis das empresas e das pessoas que utilizam as soluções Primavera BSS, respondendo às exigências cada vez maiores de serviços personalizados e colocando os produtos rapidamente à disposição de quem compra», acrescenta. 

As soluções de gestão empresarial voltadas para a cloud são uma das preocupações para o próximo triénio. 

Com uma linha orientadora bem traçada para o futuro, a multinacional portuguesa aponta a reconstrução da sua oferta, a sustentabilidade financeira e a satisfação dos clientes como pilares essenciais para crescer durante o próximo triénio. Porquê? «Porque é isso que nos vai permitir manter a nossa competitividade junto dos mercados onde já estamos e potenciar alcançar novos», remata o cofundador da Primavera BSS.

PARTILHAR O ARTIGO \\