Carlos Santos

«Cada um dos sapatos feitos por nós é uma verdadeira obra de arte»

\\ Texto Andreia Filipa Ferreira
\\ Fotografia 1, 4, 5 - Carlos Santos Shoes

De São João da Madeira para o mundo, o calçado com a insígnia Carlos Santos tem conquistado o público masculino. Com propostas que cativam o segmento de luxo internacional, a marca 100% portuguesa tem registado sucessos com cada coleção que lança, sendo uma das poucas empresas nacionais da área a produzir através do sistema Goodyear Welted (fabrico manual, com recurso a máquinas apenas como complemento). Com 70 anos de história e cerca de cem colaboradores diretos, a Carlos Santos Shoes contou, só no ano passado, com uma faturação que rondou os dez milhões de euros, valor que o responsável, Carlos Santos, acredita ser para manter. Orgulhoso dos resultados da marca a que dá o nome, Carlos Santos não descura a qualidade e elegância em cada linha de sapatos e refere, sem hesitações, que são esses padrões de exigência que garantem o lugar da marca no topo mundial.

Com uma história que remonta a 1942, quais são os pilares que orientam o sucesso da marca Carlos Santos Shoes?

A qualidade dos nossos produtos, desde o design aos materiais escolhidos, passando pelos sistemas de construção utilizados, é o mais importante pilar do sucesso. A par, igualmente, da beleza e elegância dos nossos produtos. Sem um produto de tão elevada qualidade não estaríamos onde estamos: entre as marcas de topo mundial, no segmento de luxo de calçado masculino. No entanto, existem outros valores sem os quais não seríamos tão bem sucedidos. São eles a extrema dedicação e a paixão por este universo do calçado.

 

O que serve de inspiração para as coleções Carlos Santos Shoes?

Quando gostamos realmente do que fazemos, a inspiração é algo que surge naturalmente e que encontramos até nos mais pequenos detalhes do dia a dia. Inspiramo-nos muito no quotidiano do homem que usa a marca Carlos Santos Shoes. Também, em cada nova coleção, juntamos diferentes elementos da equipa e fazemos uma viagem com destino a uma capital mundial. É dessas experiências que retiramos aprendizagem e é neste contacto direto com ambientes cosmopolitas que encontramos a nossa grande inspiração.

 

A Carlos Santos Shoes dá primazia ao fabrico manual. Esse cunho artesanal é importante? É isso que torna os sapatos únicos?

Se a Carlos Santos Shoes usasse um processo automatizado de produção não seria a marca que é e não estaria na posição em que está atualmente. Produzir, por exemplo, segundo o modelo Goodyear Welted (um dos mais complexos e valiosos modelos em todo o mundo) significa que a máquina é usada apenas como complemento do trabalho manual. É isto que nos torna tão especiais.

 

O processo de produção artesanal de um sapato é demorado. Quanto tempo pode demorar um sapato a estar concluído?

Podemos demorar vários dias a terminar muitos dos nossos modelos. Depois de um processo complexo, que implica a passagem do sapato por todas as diferentes áreas da nossa produção e pelos diferentes colaboradores, da confeção inicial até à pintura, há uma fase de repouso do sapato em formas de cedro, que dura alguns dias.

 

Quais são as matérias-primas usadas no fabrico dos vossos sapatos?

Peles de bovino de origem francesa e italiana, assim como peles exóticas como raia ou crocodilo. Estas últimas dão origem aos nossos sapatos mais caros, cujo valor pode chegar aos cinco mil euros.

«Somos decididamente vistos como bons produtores»    

Olhando para os sapatos com a vossa assinatura, vemos um artigo de luxo. Cada sapato é para vocês uma obra de arte?

Sem dúvida! Embora a linha Handcrafted seja, como carinhosamente dizemos, a joia da coroa, cada um dos sapatos feitos por nós é uma verdadeira obra de arte. Para qualquer modelo são precisas muitas mãos, dias de repouso em formas e um processo que percorre toda a produção da Carlos Santos Shoes. Além disto, utilizamos matérias-primas muito valiosas e sistemas de construção quase únicos em todo o mundo

 

O vosso público-alvo é maioritariamente masculino, mas começam agora a surgir também propostas para senhoras nas vossas coleções, correto?

A Carlos Santos Shoes é e provavelmente sempre será uma marca reconhecida pelo forte posicionamento no segmento masculino. Os produtos para mulher já existem há alguns anos mas, de facto, a sua produção é muito pequena face à restante.

 

Apostaram na criação de uma gama de acessórios. Essa coleção é composta por que tipo de artigos?

Lançámos oficialmente uma linha completa de acessórios durante a participação na MICAM, uma feira internacional de calçado que aconteceu em Milão, no início de setembro, e a reação do público superou todas as expetativas. Esta linha inclui malas de viagem, mochilas, cintos e capas para smartphone ou tablet. Todos os acessórios foram desenvolvidos durante um longo período de tempo e pensados à medida do estilo de vida do nosso cliente.

 

A Carlos Santos Shoes é uma marca 100% portuguesa que tem no mercado externo o destino principal dos seus produtos. Quais são os mercados onde estão presentes?

Atualmente, os nossos sapatos podem ser encontrados em mercados tão distintos como os EUA, a França, a Bélgica, a Suíça, a Alemanha ou o Japão. Estamos também, neste momento, a abordar a Suécia, a Inglaterra e a Coreia do Sul. O processo de expansão é algo natural e, estrategicamente, estes são mercados que nos interessam pelas suas especificidades.

 

A seu ver, o calçado português é um dos melhores do mundo? O que o torna tão especial?

Somos decididamente vistos como bons produtores. No entanto, e apesar da evolução do setor nos últimos anos, sentimos que ainda há um longo caminho a percorrer em termos de imagem do país. O caminho já iniciado para que nos reconheçam também pela componente de design e marketing ainda será longo.

 

Quais são as perspetivas da Carlos Santos Shoes para o futuro?

O objetivo da marca, mais do que nunca, será conciliar a tradicional arte do Goodyear Welted com uma base de conforto. Esta técnica é absolutamente nova, poucos no mundo a conseguem fazer e nós temos tido boa reação por parte de quem experienciou o conforto de um Goodyear flexível. Queremos cada vez mais que o homem executivo ou o clássico conservador consiga combinar os valores da tradição com a inevitável necessidade do conforto, que começa aos seus pés.    

PARTILHAR O ARTIGO \\