Quorum Ballet

Portugueses de alma e coração

\\ Texto Andreia Filipa Ferreira

Os movimentos são graciosos. Cada gesto, cada toque, cada rodopio mostra-nos corpos em perfeita sintonia. Cada expressão, cada voo, cada impacto no solo envolve-nos de tal forma que nos faz querer ser também bailarinos. Tão perfeitos e tão dedicados como eles. Desde 2005 que a Quorum Ballet vai apresentando repertórios onde a dança contemporânea é a estrela do palco. Sob orientação artística de Daniel Cardoso, coreógrafo consagrado internacionalmente, uma equipa de 14 pessoas ? incluindo bailarinos, produção, equipa técnica e administração ? tenta encontrar «uma linguagem própria sem referências específicas ou orientações estéticas pré-concebidas», tornando a dança num prolongamento do próprio corpo. Com uma média de dez espectáculos realizados internacionalmente durante o ano, esta companhia portuguesa de dança contemporânea pretende ser um exemplo para as futuras gerações, com trabalhos que não vivem apenas dos movimentos, mas também da mensagem que carregam.

O mundo da dança cativou o brilho dos olhos de criança de Daniel Cardoso, aos nove anos. Sem ter noção do que era a dança até ao momento em que pisa o palco pela primeira vez, o bailarino português inicia o seu percurso na Escola de Dança do Conservatório Nacional e hoje não demonstra dúvidas quando afirma que teve a sorte de escolher a profissão certa. Rumo a Nova Iorque, passou pela incontornável referência que é a Martha Graham Dance Company e a Joffrey Ballet School, trabalhando com professores e coreógrafos de reputação histórica. De regresso a Portugal, em 2005, com muito talento e vontade na bagagem, Daniel Cardoso aproveita uma lacuna na oferta cultural e cria a Quorum Ballet, uma companhia de dança contemporânea baseada no espírito de equipa, no rigor e na direcção artística clara e bem definida. «No mês em que termina a Ballet Gulbenkian, senti que era a altura certa para criar a companhia porque, de facto, não existia na altura em Portugal uma companhia de repertório com projecção internacional», explica Daniel. Com a música e a vida como inspiração principal, o coreógrafo ? ainda bailarino no activo ? vai explorando temas relacionados com a sociedade portuguesa, como é o caso do espectáculo Correr o Fado, que destacou a Quorum Ballet como a Melhor Companhia em Palco, em 2011. «Correr o Fado leva ao público os aspetos mais relevantes do que é ser português. Diferentes tipos de relacionamentos humanos são explorados na peça, inspirados pelas letras das mais belas e emblemáticas canções de Fado», descreve Daniel, acrescentando que todo o trabalho cénico é inspirado na arquitetura dos edifícios portugueses, forrados pelos azulejos de fachada, e pela água. «Os tanques de água simbolizam as lágrimas que eram derramadas a ouvir Fado e a água do mar, nosso companheiro eterno», afirma.

Dedicando-se à dança a tempo inteiro, a Quorum Ballet incorpora também a Quorum Academy, a que se associa o Projeto Quorum, uma forma de assegurar a formação na área da dança. «Em 2015 inaugurámos um novo espaço com três estúdios e já contamos com cerca de 150 alunos», refere, orgulhoso, o diretor artístico. No entanto, a falta de apoios tem sido o maior entrave ao crescimento da companhia. «Penso que era importante existir uma plataforma de apoios do Estado mais transparente e genuinamente aberta a todos os profissionais da área», confessa Daniel. Continuando a «fazer milagres» diariamente, Daniel e a Quorum Ballet têm imensos projetos artísticos para desenvolver, numa tentativa de elevar os padrões de qualidade e excelência e levar o nome de Portugal ao mundo. Até agora, Espanha, EUA, Alemanha, Holanda, Polónia, Singapura, Macau, China, Chipre, Sérvia, Equador, Tailândia? Continuamos a enumerar?!    

PARTILHAR O ARTIGO \\