Nihiwatu Sumba Island

No coração da Indonésia

\\ Texto Andreia Filipa Ferreira
\\ Fotografia Nihiwatu Sumba Island

Olhando o azul-turquesa tão característico do Oceano Pacífico, quase todas as cores em volta são capazes de se desvanecer num piscar de olhos. Como uma pintura que nos suga a alma, a ilha indonésia de Sumba, a cerca de 50 minutos da zona turística de Bali, cativa-nos graças ao equilíbrio perfeito entre a terra e o mar. Talvez tenha sido este vislumbre que conquistou as memórias do marinheiro Antonio Pigafetta, um companheiro de viagem do famoso navegador português Fernão de Magalhães e o primeiro a documentar a chegada dos navios portugueses às isoladas e tribais margens de Sumba. De acordo com os registos dos antepassados, o ar de Sumba preenchia-se de aromas adocicados provenientes das florestas de sândalo que compunham as colinas, onde, lá no cimo, se resguardavam as aldeias tradicionais e os túmulos megalíticos esculpidos em pedra. Quanto aos nativos, orgulhosamente vestidos com tecidos tradicionais e com os corpos enfeitados com bonitos ornamentos, trocavam os seus robustos cavalos por ouro, prata e cerâmica chinesa, não deixando de lado o seu espírito de guerreiros ferozes. Hoje, com 610 mil habitantes, essas memórias continuam a inspirar as construções e a deter os olhares atentos dos visitantes.

Preservando a essência tradicional da ilha, eternizando as aldeias marcadas pelas casas que se elevavam por três andares, numa estrutura de madeira com bambu entrançado dos lados e telhados altos e pontiagudos, feitos de grama nativa, o Nihiwatu Sumba Island é o resort ideal para uma experiência envolvente no paraíso indonésio. Localizado numa reserva natural intocada, beneficiando de 2,5 quilómetros de praia privada, este refúgio no Pacífico está equipado com 28 villas espalhadas por uma vasta área de floresta junto ao mar, de onde surgem 33 quartos munidos de várias opções de alojamento, a pensar tanto nas fugas românticas como nas aventuras familiares. Com várias tipologias, os alojamentos são bastante abertos, potenciando a entrada de ar e as incríveis vistas para o arvoredo e as ondas. Por exemplo, a Raja Mendaka, composta por cinco villas, ocupa uma posição privilegiada bem no coração do resort, alcançando as famosas ondas de Nihiwatu. Rodeada pelos jardins que garantem a privacidade necessária para as zonas de entretenimento pensadas para as grandes famílias e grupos de amigos, estas villas têm a sua própria piscina privada, tal como as restantes opções de alojamento. Para os entusiastas do surf, a villa Kasambi, com dois grandes quartos e um horizonte pintado pelos melhores spots de surf de Nihiwatu, é também uma escolha possível. No entanto, se pretender uma estadia mais encoberta pela floresta, os alojamentos Wamoro, Kanatar ou a fascinante Tree House envolvem-no num ambiente natural, através de colinas sobre a baía ou jardins de hibiscos e palmeiras. Nas valências deste resort incluem-se ainda as villas mais tradicionais, como as Puncak e as Marangga, com design semelhante às típicas casas de Sumba.    

Mas, para além de momentos de descanso em autênticas casas de sonho, o Nihiwatu Sumba Island permite aos seus hóspedes saborear o melhor da gastronomia indonésia. Com os pés na areia, os visitantes podem encontrar as refeições diárias no restaurante Ombak, reconhecido pela cozinha local ou internacional. Também as saladas do Nio Beach Club, as águas de coco e os cocktails do Boat House podem ajudar a tornar a estadia muito mais agradável, quem sabe depois de um passeio até às cascatas ou às plantações de arroz.

 

PARTILHAR O ARTIGO \\