Oitoemponto

Design e arquitetura com requinte português

\\ Texto Andreia Filipa Ferreira
\\ Fotografia 1 - Jérôme Galland

Unidos pela vontade de quebrar as barreiras dos códigos estabelecidos, Artur Miranda e Jacques Bec são os rostos por detrás de um nome que, graças ao glamour dos seus projetos de arquitetura e decoração, tem dado cartas no panorama nacional e internacional. Juntos, Artur e Jacques são a Oitoemponto, uma marca 100% portuguesa que procura exportar o que de bom se faz no país. Com projetos marcadamente luxuosos, a pensar no segmento alto do mercado, a Oitoemponto distingue-se pela sua visão moderna da decoração, combinando os tons brilhantes com as cores mais sóbrias. Catapultada para o sucesso além-fronteiras muito graças a terem sido uma das presenças na feira AD Intérieurs, esta dupla consagrada através do talento de um português e do savoir faire de um francês conta já com importantes trabalhos no seu portefólio. Para além das colecções de mobiliário, a Oitoemponto foi a responsável pelo projeto da adega e da casa Quinta do Pessegueiro e actua ainda como diretora criativa na requalificação do edifício que dará origem, em 2017, ao hotel Monumental Palace, na baixa do Porto.

Com trajectos distintos, Artur Miranda e Jacques Bec encontraram nas suas diferenças uma forma inovadora de criar prestígio. A formação em moda e design de Artur tornou-o dono e senhor de uma visão apurada e moderna em termos de decoração, enquanto que os estudos em artes gráficas de Jacques garantiam um French touch capaz de tornar um projeto numa autêntica obra de arte. Aliando os talentos, Artur e Jacques são os pilares do sucesso da marca portuguesa Oitoemponto, que desde 1993 tem trilhado caminhos que colocam o artesanato português nas bocas do mundo. «Nós sempre acreditamos que qualquer marca deve começar localmente e só depois deve internacionalizar-se. Nós fizemos isso e, ao voltarmos a Portugal, ficámos imediatamente conotados como marca internacional. Depois, a Oitoemponto é uma marca que usa e abusa do artesanato português, levando excelentes produtos para um contexto internacional», explica Artur. Privilegiando a qualidade artesanal portuguesa, a marca é hoje sinónimo de design luxuoso e confortável, apenas acessível aos mais privilegiados. «Com muita sinceridade, desde muito cedo que a marca se decidiu, sem qualquer tipo de problemas, a trabalhar para um nicho de mercado: o mais alto possível», afirma Artur.

Refutando o rótulo de trends makers, mas assumindo prestar uma atenção vital às tendências usadas ou que se adivinham, já que é isso que influencia o décor pretendido pelos clientes, Artur e Jacques vão somando linhas de mobiliário e projetos variados: hall de entradas, escritórios, salas de estar e jantar, quartos, cozinhas, etc., sempre com um glamour vintage e uma exuberância que dão o toque de charme reconhecido da marca. «Nós nunca quisemos ter um estilo super marcado, porque achamos que isso é algo que passará com o tempo. Por isso, aborrecia-me, no início, quando as pessoas falavam num ?estilo super Oitoemponto?. Nós somos muito mais eclécticos, porque para nós tudo é válido», referem. 

Com a premissa de que tudo é válido a direccionar as rédeas da marca, a Oitoemponto combina, desde 2007, os projetos de decoração com a arquitetura, para que as vivências do interior da casa possam inspirar os «exteriores fantásticos» que os clientes high end procuram. «A primeira coisa que a pessoa vai viver é o interior da casa, não o exterior. Então, para projectarmos o exterior, temos de perceber as vivências das pessoas. Se são muitos ou poucos habitantes, se gostam ou não de ver televisão, por exemplo. O exterior, para nós, torna-se uma casca. Uma casca para uma vivência», conta-nos Artur, elogiando a ajuda dos arquitetos que assinam sob a marca Oitoemponto e acrescentando: «Nós hoje entregamos projetos completos. Costumo dizer que começamos em campos de milho e acabamos com uma salada de milho à mesa, servida numa fantástica mesa, com uma boa cadeira e um excelente prato». 

PARTILHAR O ARTIGO \\