Museu BMW

Um despertar de emoções

\\ Texto Maria Cruz
\\ Fotografia ©BMW

Chegamos a Munique. Cidade da Baviera alemã. É arquitetonicamente moderna e desenvolvida, considerada por muitos a mais bela cidade da Alemanha. À medida que vamos 'entrando' cidade adentro, deparamo-nos com uma mistura de arte, cultura e jovialidade. E quem passeia pela metrópole não pode deixar de lado uma paragem obrigatória. Seja de metro, pela linha U3, de carro ou a pé, impõe-se uma visita ao museu da BMW, assim como ao BMW Welt, um mundo de ostentação e de puro luxo, que foi construído em 2008 e cujos edifícios estão interligados através de uma passagem superior, uma ponte, que faz a travessia de um espaço para o outro. Para os amantes da marca, o Museu oferece um mundo de história, quer seja um vasto leque de carros clássicos e modernos, quer motos exclusivas e fascinantes. 

O edifico do museu, bem ao lado do Olympiapark (Parque Olímpico de Munique), é inovador e retrata os 100 anos de história da BMW- Fábrica de motores da Baviera. Desde a sua criação, em 1916, altura em que produziam motores de aviação. Com o termo da guerra, deixaram de o fazer e passaram a produzir carros e motos. A história do primeiro motociclo de 1923, o primeiro carro de 1928 e de outros veículos emblemáticos é aqui contada, assim como são revelados os grandes sucessos da BMW no que diz respeito à Fórmula 1, como a vitória do BMW 328, e outros factos representativos da história de sucesso da marca. 

O Museu da BMW foi construído entre os anos de 2004 e 2008.

A arquitetura dinâmica e contemporânea, à semelhança de uma rotunda, leva-nos a percorrer a narrativa da BMW. E assim como as curvas de uma estrada nos fazem ficar mais atentos, à medida que vamos subindo a rampa do museu vamos apreciando, com clareza, as exposições que orgulhosamente se exibem, no edifico low-rise. Mas mesmo antes de iniciarmos a visita, o lendário turbo vermelho, de 1972, chamou a nossa atenção. Foi ele que nos deu as boas vindas à entrada. Com ou sem guia, toda a visita se torna enriquecedora, principalmente se for feita com calma, sem correrias, pois tem de haver tempo para admirar as maravilhas da marca. Na sala do Série 3, por exemplo, podemos ver a evolução do modelo, dos veículos mais antigos aos mais recentes. Depois seguimos a nossa visita até à década de 1930, passamos pelo lendário 507 de 1956, até ao apaixonante Z3 do filme 007 Contra GoldenEye. Para os apaixonados por motos, o museu tem alguns modelos da época da II Guerra Mundial e outros como a WR 500. Já o BMW Gina deixa todos radiantes, com o seu tecido especial, suave. Também podemos ver alguns modelos da Rolls Royce, a emblemática marca de carros de luxo inglesa que em 1998 foi comprada pela BMW.

 

Esta obra, em forma de taça, foi desenhada por Karl Schwarzer e nela estão expostos mais de 120 carros e motos produzidas pela BMW, alguns protótipos e muitas curiosidades. O design arquitectónico, com a rampa periférica composta por sete espaços de exposições, leva os visitantes, através da rotunda, às 25 áreas de exposição. São quatro os aspetos que definem este museu: inovação, dinamismo, estética e exclusividade. Similar à marca BMW! Mas o museu não chama só a atenção pela sua beleza arquitectónica, elegância e grandiosidade. É uma viagem na história da marca através dos motores lendários. E agora, não fosse a cerveja um dos aspetos a lembrar da cidade, seguimos caminho num BMW à escolha!

PARTILHAR O ARTIGO \\