Restaurante Taverna

Portugal à mesa

\\ Texto Maria Amélia Pires
\\ Fotografia © PMC

Vai-se cantar o Fado. Não será preciso silêncio, porque o que se quer é descompressão e alegria. Serve-se Portugal à mesa, pelos colaboradores vestidos de campinos, e ao redor há pedaços lusos em cada canto, como se Portugal inteiro se condensasse neste espaço. Filho de pais portugueses, Nuno Pestana nasceu em Moçambique. Depois de uns anos em Portugal, onde se formou em Direito, regressou à pátria, onde a vocação falou mais alto. Esqueceu os cartapácios e abriu, em Maputo, a Taverna, à época uma casa de petiscos. Já lá vão dez anos. 

Acarinhando a Taverna como a um filho, o projeto cresceu, com muita dedicação, o que pressupunha não ter folgas ou fins-de-semana e sacrificar muitas horas que deveriam ser dedicadas às filhas. Os 80 lugares de capacidade iniciais foram aumentando, devagar, porque não se podia abdicar da qualidade. Essa qualidade significa ir buscar a maior parte da matéria-prima à origem, porque só assim se podem degustar os sabores genuínos.

O projeto cresceu, com muita dedicação, o que pressupunha não ter folgas ou fins-de-semana e sacrificar muitas horas que deveriam ser dedicadas às filhas.

Mas de nada valeria a qualidade dos ingredientes se os pratos não fossem bem confeccionados. De batuta em riste na cozinha, a sua mulher, a portuguesa Rute Pestana, sabe como ninguém as receitas da sua terra. É ela a mentora do projeto, a responsável pela cozinha e menus. Nuno diz, carinhosamente, que Rute é o seu pescoço, sem a qual não consegue virar a própria cabeça.

Da cozinha até à mesa, chegam cerca de 98 pratos: Arroz de Marisco, Arroz ou Massada de Garoupa com Camarão, Arroz de Costela em Vinha de Alhos, Cabidela de Galinha, Pregado Frito com Arroz de Grelos, várias receitas de bacalhau, de bife ou marisco e um enorme et cetera cheio de sabores. Para adocicar o paladar, vêm o Manjar de Coco, o Bolo de Chocolate quente com Gelado Baunilha, o Fondant de Chocolate, entre outras gulodices. A acompanhar, há disponíveis 2000 rótulos de vinhos oriundos de todo o mundo (a maior garrafeira da África Austral), mas há também vinhos do Porto raríssimos e outras bebidas, totalizando 800 bebidas espirituosas. Com seis casas abertas em Moçambique (a esta junta-se um restaurante italiano e quatro pastelarias), este grupo familiar é a prova de que investir na paixão, trabalhar afincadamente e ter paciência é o caminho do sucesso.

PARTILHAR O ARTIGO \\